TREPA TRONCO HORIZONTAL

Baixar PDF

INFORMAÇÕES IMPORTANTES

POSSIBILIDADES

MATERIAIS E FERRAMENTAS

  • Toras ou troncos com as dimensões desejadas (considerando o público alvo do brinquedo)
  • Material para cavar: escavadeira, pá, enxada ou picareta
  • Bastão para firmar a terra ao redor do tronco
  • Motosserra
  • Lixadeira ou esmerilhadeira com lixa
  • Barra roscada ou prego 
  • Furadeira
  • Stain transparente

MÉTODO CONSTRUTIVO

Arranjo dos troncos

  • Distribuir os troncos no chão de acordo com um melhor encaixe natural a partir da forma das peças disponíveis.
  • Desenvolver um percurso de desafios a serem vencidos com as toras, considerando a dificuldade buscada para o circuito.
  • Escolher os pontos de apoio e base no chão, abrindo covas no solo para enterrar os pilares necessários.

Fixação das toras

  • Fixar as toras umas nas outras com o entalhe de encaixe entre as madeiras e o uso de barras roscadas – com uma porca e ruela de cada lado.
  • Há também a possibilidade de uso de pregos. Eles são mais baratos embora sejam menos resistentes que a barra roscada. Outra possibilidade é usar pregos de madeira ou bambu. Eles são mais trabalhosos para obter e também duram menos, mas seu impacto ambiental é menor.
  • O circuito também pode ser incrementado por pilares de sustentação, conferindo altura ao percurso. Esses pilares podem ser feitos a partir de tocos de madeira fixados no chão, de acordo com sua altura (quanto maior a altura do pilar, maior a profundidade do trecho enterrado).

Impermeabilização da madeira

A casca dos troncos produz um ambiente favorável para organismos decompositores. É necessário tirar a casca  – o que nem sempre é fácil – para aplicar uma resina impregnante denominada stain para que as toras durem mais.

É indicado aplicar duas demãos, buscar a máxima impregnação e usar produtos na cor transparente para valorizar o tom original da madeira.  

MANUTENÇÃO

Manutenção mensal

  • Fazer manutenção da grama que está disposta sob o brinquedo e é a superfície de amortecimento de queda indicada.

 

Manutenção anual

  • Se os troncos estiverem descascados, refazer a aplicação da resina impregnante (stain) em toda superfície do brinquedo.

VERIFICAÇÃO

Verificação mensal

  • Verificar se os troncos estão íntegros, sem nenhuma rachadura na base.
  • Verificar todos os encaixes, se estão firmes e seguros.
  • Verificar se as fixações de ferro (como a barra roscada ou o prego) estão expostas. Se houver pregos ou parafusos expostos tentar bater e afundá-los na madeira. Se não for possível, desmontar o brinquedo.

PONTOS DE ATENÇÃO EM RELAÇÃO À NORMA 1607 DA ABNT

Área de impacto de queda

A norma recomenda que todo brinquedo com queda acima de 60 cm tenha uma área livre, sem obstáculos, sobre a qual o usuário possa cair sem se lesionar. O raio dessa área é proporcional à altura do brinquedo. Para brinquedos com 60 cm de altura ou menos, o raio da área livre em seu entorno deve ser 1,5 m.

Superfície atenuante

A norma recomenda que todo brinquedo com queda tenha uma superfície atenuante na área livre de impacto. O tipo de material indicado varia de acordo com a altura do brinquedo. Para o trepa-tronco horizontal, a superfície atenuante indicada é a grama, embora seja possível utilizar cascas ou lascas de madeira, ou ainda, areia. 

Proteção de porcas e pinos

A distância máxima entre entre o centro do eixo do parafuso e a lateral do rebaixo na madeira é 25 mm.

Os componentes de metal devem ser resistentes às condições atmosféricas e protegidos contra oxidação, de forma a evitar a ferrugem.

Para mais informações consulte a ficha Recomendações da Norma 1607 da ABNT.