Qual é a natureza da sua casa?

Um adulto e duas crianças estão na sacada, com tela, de uma apartamento. Cada um tem em mãos um binóculo.

18 dez Qual é a natureza da sua casa?

Você pode não acreditar ou nunca ter notado, mas se começar a observar os cantos e recantos de sua casa, irá perceber que não mora sozinho. Claro que não estou me referindo aos seus familiares, animal de estimação ou plantas que moram com você. E muito menos estou aqui para compartilhar experiências espirituais. 

Na verdade, ouso dizer que, na sua casa, devam viver com você, entre residentes e visitantes, pelo menos umas 10 espécies de outros seres. Uma maneira de aliviar as tensões do dia a dia, de também nos conectarmos com a natureza e estreitarmos nossas relações com a criançada (mas não só), é olhar para nossa casa e, a partir dela, descobrir que estamos todos em sintonia com o mundo natural. 

Um menino olha através da janela. No vidro há alguns animais de papel colorido recortados e colados.Eu vivo com minha companheira e nossos dois filhos pequenos. Embora saibamos que temos um lugar de privilégio nessa pandemia, o de poder trabalhar, receber e estar com nossos filhos em casa, por outro lado, sabemos também o quanto é difícil conciliar os cuidados familiares, com os caseiros e os do trabalho. A gente está resistindo a todas essas dificuldades com arte, e fazendo conservação da natureza. Não é para passar o tempo não, é para que o tempo não passe e nos permita descobrir e pintar a natureza cada vez mais.   

Sobre um fundo roxo, estão joaninhas e insetosLimpar as luminárias da casa também não é mais tarefa de um ou de outro, mas de todos: especialmente da molecada que fica ansiosa (não só ela, tá?) para descobrir quem são os bichinhos que, buscando se orientar pela luz natural, acabaram aprisionados. A sensação é sempre a de estar abrindo um baú de tesouros, que com uma lupa, nos surpreende pelas estruturas, cores e formas de pequeninas espécies. São joaninhas, percevejos, mariposas, cigarrinhas, moscas, mosquitos e aranhas. Dezenas de espécies, em um apartamento do 11 andar de bairro bem urbano de São Paulo. “Filhotes, se encontramos todas essas espécies na luminária da cozinha, imaginem quantas delas moram em uma floresta?”. Sim, é sempre intrigante para todos nós. 

Nos cantos da casa, temos pequenas aranhas-de-canto-de-parede, que ajudam a controlar os pernilongos, cupins e outros insetos que por vezes ficam zanzando nos quartos. Nos banheiros, de vez em quando aparecem aquelas mosquinhas pretinhas que ficam no box, sabem? São as moscas-do-banheiro, inofensivas, e que contribuem para reciclar a matéria orgânica que acaba indo para o nosso ralo. Assim como outros bichinhos que moram conosco. Ou será que somos nós que moramos com eles? 

Não só os invertebrados despertam nossa inspiração. Da nossa janela, já temos bem visto e ouvido mais de 30 espécies de aves. Sanhaços, corruíras, sabiás, urubus, pombas, rolinhas, andorinhas, beija-flores, periquitos, papagaio e até mesmo a ave mais rápida do mundo já passou pelo nosso prédio: o falcão-peregrino! 

A gente não consegue guardar segredo, viu? Fazemos questão de compartilhar todos os bichos que a gente vê por aqui nos grupos da família, de amigos ou nas plataformas de ciência-cidadã, que são acessadas por centros e institutos de pesquisa e gente curiosa do mundo inteiro, como o eBird e o inaturalist. Assim, as observações que a gente faz em casa, podem mudar para melhor o nosso dia a dia, a vida dessas espécies e a relação que temos com elas.

Então, para finalizar, pegue lápis e papel e anote, observe tudo ao seu redor. Não esqueça de chamar as crianças: as da sua casa e a que vive dentro de você! A natureza está aí!    

Luccas Longo segura um binóculo colorido na frente do rosto.Luccas Longo

Pai, biólogo, ilustrador e observador da natureza. Atua na área de gestão de Unidades de Conservação e promove atividades e oficinas para crianças pequenas e adultas na natureza, seja para observá-la ou desenhá-la.

* A opinião retratada no texto não reflete necessariamente do programa Criança e Natureza