Documento com sugestões sobre o planejamento de reabertura das escolas e aprendizagem ao ar livre

sala de aula

11 ago Documento com sugestões sobre o planejamento de reabertura das escolas e aprendizagem ao ar livre

Com o intuito de colaborar com o planejamento de reabertura das escolas para quando houver condições sanitárias seguras, o programa Criança e Natureza lança, com apoio e parceria de outras instituições, um documento com sugestões e referências que possam contribuir com o poder público na construção de protocolos relativos ao tema. 

Ainda que o retorno presencial às escolas seja incerto, as discussões já estão sendo feitas pelas famílias, educadores e órgãos responsáveis. Sabemos que esse retorno pode ocorrer em diferentes momentos e formatos, levando em conta a situação de cada região e estado, mas há um consenso sobre a necessidade de se fazer um planejamento rigoroso e intersetorial, envolvendo protocolos administrativos, pedagógicos, sanitários e com a participação de toda a comunidade escolar.

Com base em referências históricas e _MG_1864experiências internacionais, o documento aponta as contribuições que a aprendizagem ao ar livre traz para a retomada das aulas presenciais. Esse conjunto de  sugestões fundamenta-se no fato de que atividades ao ar livre diminuem as chances de transmissão do vírus e ao mesmo tempo contribuem para a promoção da saúde e aumento da imunidade das crianças e adolescentes. 

Sugerimos que a aprendizagem ao ar livre, considerando as múltiplas realidades dos ambientes escolares, seja um elemento central no planejamento de protocolos sanitários, administrativos e pedagógicos para a retomada das aulas presenciais e destacamos três principais pontos do documento: 

– Um amplo e consistente conjunto de evidências científicas aponta os benefícios da experiência junto à natureza e ao ar livre no desenvolvimento integral das crianças e adolescentes. As crianças já  viviam em relativo confinamento antes da Covid-19 e já sentiam seus efeitos em sua saúde física e mental, de forma que o isolamento social agravou esses sintomas, ocasionando o aumento da obesidade e ansiedade, por exemplo.  

– Sugerimos que os órgãos estaduais e municipais responsáveis por parques e praças integrem as comissões intersetoriais que organizam a construção dos protocolos para a volta às aulas, contribuindo com a disponibilização de áreas públicas, como praças e parques para acolhimento dos estudantes. 

Disponibilização e manutenção de parques municipais, praças e clubes-escolas, assim como seus funcionários, durante os dias úteis da semana, para a criação de salas de aulas temporárias, aumentando assim a capacidade de atendimento de estudantes.

– Que o planeamento para a reabertura às escolas integre medidas sanitárias à qualidade das propostas pedagógicas, cuidado e acolhimento à crianças e adolescentes promovendo a saúde e bem-estar nesse momento tão delicado vivido por nossa sociedade. 

Para facilitar a consulta das diretrizes estabelecidas para a construção destes protocolos reunimos em nosso site alguns dos materiais de orientação dos principais colegiados que organizam o trabalho com educação e infância como Undime, Consed, SBP e UNICEF, entre outras.Estas sugestões devem ser consideradas complementares às recomendações oficiais da Organização Mundial de Saúde e dos órgãos nacionais responsáveis por saúde e educação, as quais devem ser sempre seguidas.

SAIBA MAIS:

O BRINCAR LIVRE NO CONTEXTO DA PANDEMIA COVID-19

EDUCAÇÃO, INFÂNCIAS E NATUREZA

A IMPORTÂNCIA DO CONTATO COM A NATUREZA NO CONTEXTO DA PANDEMIA COVID-19