Por que é preciso escutar as crianças?

PSG_0009

01 out Por que é preciso escutar as crianças?

Adriana Friedmann é doutora em Antropologia, mestre em Educação e pedagoga. Desde os anos 80, atua como pesquisadora em instituições de educação e cultura. Criadora e coordenadora do Mapa da Infância Brasileira e do NEPSID (Núcleo de Estudos e Pesquisas em Simbolismo, Infância e Desenvolvimento), desenvolve pesquisas com crianças, formando especialistas na escuta de crianças. Nessa entrevista exclusiva, ela explica o que é escuta de crianças, a partir da sua linha de estudo e porquê precisamos escutá-las.

Em que consiste a escuta das crianças e como esse conceito se concretiza na prática? 

Homem e criançasEscutar crianças tem a ver com o adulto se conectar com suas realidades, vivências, necessidades e interesses. Sobretudo para conhecê-las e compreender como e o que estão expressando no mundo. Escutar tem a ver com observar, tomar distância e, muito além do que elas dizem ‘verbalmente’, trata-se do adulto se conectar com as expressões não verbais: dos seus corpos, gestos, movimentos, brincares, produções artísticas, comportamentos, reações etc. Trata-se do adulto mudar sua postura: daquele que interfere, ensina, corrige, para aquele que se coloca como aprendiz, silencia, registra, não somente o que observa e escuta, mas também os insights que ele tem ao se conectar com a(s) criança(s). Na prática, tem a ver com oferecer tempos e espaços para atividades livres, coletivas ou individuais, através das quais as crianças possam escolher do que, com quem, onde e com o que irão brincar, interagir etc. Tem a ver com facilitar caminhos e ‘ferramentas’ para que as crianças se expressem: desenhando, brincando, fotografando, lendo, escrevendo, representando etc. E acolher as ideias criativas das próprias crianças.


O que é essencial na escuta das crianças e que armadilhas envolvem esse processo? 

Essencial é entender que cada criança tem um temperamento específico, uma singularidade, saberes e valores trazidos do seu núcleo familiar. Entender que as crianças já têm um conhecimento que, geralmente, nós desconhecemos. Respeito é essencial: pela privacidade das crianças, pelos seus tempos, pelos seus ‘tesouros’, segredos e emoções. As crianças estão sempre em processo e não é pelo fato de um dia, ou em determinado momento, agirem de uma certa forma, que logo depois elas não irão se mostrar ou comportar de outro jeito. Uma das mais preocupantes ‘armadilhas’ é a do adulto se pautar pelas suas próprias expectativas ou referências de ‘normalidade’. E, assim, acaba se fechando, comparando cada criança com seus próprios padrões. Escutar é abrir-se para o desconhecido, para aquilo que irá nos surpreender. Outra armadilha tem a ver com o impulso do adulto fazer mil e uma perguntas para as crianças: nem sempre o que elas respondem corresponde ao que realmente estão sentindo. As crianças, do lugar da sua ‘esperteza’  acabam muitas vezes respondendo aquilo que o adulto quer escutar. Escutar não tem a ver com perguntar. Outra armadilha é confundir o que é da criança e o que é do observador: ao nos conectarmos com o outro, acabamos espelhando nossas emoções ou vivências, tanto no que diz respeito ao que já passamos como crianças, quanto às emoções – positivas ou negativas – que possam aflorar na hora de estar com as crianças. Por isso, é importante entender que escutar crianças e conhecê-las não acontece em um único encontro. Outra armadilha é ignorar o contexto sociocultural no qual cada criança está inserida: este tem imensa influência nos seus comportamentos.

Em que aspectos as crianças podem contribuir na construção de políticas públicas?

Vovô Werno_0069Ao se dar ‘vez e voz’ às crianças e, com propostas adequadas a cada faixa etária, elas poderão expressar seus olhares para suas vidas, sua escola, seus territórios etc. Importante é não atropelar, e sempre que possível ir até elas, e não tirá-las do seu entorno. Com a proposta de possibilidades expressivas – desenhos, mapas, maquetes, brincadeiras etc. – adultos terão elementos concretos para compartilhar estas ‘falas’ com gestores e tomadores de decisão, que precisam estar preparados e abertos para realmente acolher e incorporar essas colocações. Importante é as crianças terem consciência desses processos e dar a elas devolutivas – diálogos!

Num contexto contemporâneo onde vivemos cercados de ruídos (visuais, sonoros, tecnológicos, etc), muitas vezes em detrimentos dos diálogos, das boas conversas, como priorizar a escuta das crianças?

Temos imenso desafio a esse respeito. Criar tempos e espaços na família, na escola, na comunidade, para deixar as crianças mais autônomas, em contato com espaços mais naturais – de preferência – e com diminuição de estímulos artificiais; ou seja, proporcionar, mesmo nos cotidianos acelerados, pausas para que  as crianças vivam suas infâncias e os adultos possam fazer essas escutas. Sempre a partir dos movimentos e escolhas espontâneas das crianças, pois é a partir dessa espontaneidade que elas se mostram na sua essência, quem realmente são e o que estão vivendo, sem interferências.

Diante das múltiplas infâncias, como fazer uma escuta qualificada, que resulte em participação social de/para todas as crianças?

Meninas e amarelinhaEscuta qualificada é aquela que acolhe a diversidade de crianças e de infâncias. Para tal, precisamos respeitar as singularidades no coletivo. Sem dúvida um difícil desafio. Ao observar crianças nos seus momentos livres e autônomos, o adulto terá alguns indícios que servirão para pautá-lo à respeito de preferências e habilidades individuais para, assim, num segundo momento, com as primeiras escutas e observações registradas, repensar que caminhos, atividades e possibilidades há para a participação social das crianças. Mas é importante entender que, mesmo sem um objetivo pontual, as escutas espontâneas, se seguirem os princípios de respeito, conexão, silenciamento e não participação do adulto, já são uma forma de participação social e de protagonismo das crianças. Com esses levantamentos é que poderá se readequar outras propostas, aí sim direcionadas, mas que sempre respeitem as formas e conteúdos expressivos das crianças. E seus tempos! O adulto é um mediador e é sempre importante ele se formar a este respeito: partindo das suas próprias memórias de infância, ele tem um fio de conexão com as crianças com quem convive. As trocas e diálogos entre adultos e crianças são fundamentais, assim como as trocas entre os adultos cuidadores das mesmas crianças, seja na escola, na família ou na comunidade.

Que infâncias têm sido escutadas e quais não são? Por quê? Queria saber um pouco mais sobre o silenciamento das infâncias.

Estamos em um momento histórico que só está começando, no que se refere ao tema da escuta de crianças e à consciência sobre sua importância. Assim, este tema e esta consciência, por estarem nos seus primórdios, ainda estão sendo conhecidos e assimilados. Precisamos compreender que crianças se manifestam todo dia, toda hora. O que não acontece é o adulto estar aberto e ciente dessas vozes infantis. Então, pensarmos em quais infâncias têm sido silenciadas não tem a ver necessariamente com grupos sociais ou culturais determinados. Vejo um silenciamento maior nas escolas que, por terem o compromisso de seguir currículos pré-estipulados, não têm, em geral, a possibilidade de criar tempos e espaços para as escutas acontecerem. Mas é claro que depende muito de cada escola e de cada educador. Espaços em que os pais tecem expectativas e pressionam por ‘resultados’ também acabam silenciando as infâncias e atropelando, de certa forma, processos, manifestações e potenciais individuais. Porém, as escolas são os espaços mais interessantes e potentes para escutar as crianças! Há um árduo e desafiador caminho a esse respeito que requer orientação e conscientização dos educadores. Infâncias silenciadas – eu diria não escutadas -, mas que na verdade continuam a se manifestar – estão em abrigos, em núcleos familiares mais repressores, em propostas pedagógicas totalmente direcionadas, em situações de violências cotidianas de todas as ordens. Infâncias silenciadas tem mais a ver com a formação e consciência dos adultos que com elas convivem do que com contextos específicos ou sócio-econômicos ou culturais. Porém, a influência sócio-cultural cria tendências para estes silenciamentos existirem ou não.

Como a escuta ocorre, ou não, no âmbito das políticas públicas na realidade brasileira? Como isso se concretiza na prática?

Crianças reunidasAinda há poucos exemplos a esse respeito. Porém, alguns conselhos de crianças começam a ser criados e escolas ‘democráticas’ começam a ensaiar vozes infantis país afora. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), de 1990, inclui a participação das crianças na vida familiar, comunitária e política, e o direito à opinião e à expressão. Este já é um ponto de partida e de apoio para incentivar a criação de oportunidades, o desenvolvimento de metodologias de escuta e a interlocução com gestores governamentais. Há um movimento neste sentido, mas ainda é prematuro citar realizações concretas.

SAIBA MAIS

A VEZ E A VOZ DE TODAS AS CRIANÇAS

O QUE AS CRIANÇAS ESPERAM DA SUA CIDADE?